25 Outubro 2020

Executivo prevê crescimento de 25% em carteira de Riscos de Engenharia da Berkley

“A busca por esta modalidade de seguro pode ser explicada em função da localização das obras serem dentro dos grandes centros urbanos, onde existem as maiores exposições de risco”

Data: 03.01.2013 - Fonte: CQCS | Crislaine Cambuí

 

Com a chegada das grandes obras, a expectativa de crescimento da carteira de Riscos de Engenharia da Berkley prevê crescimento de 25% até o final de 2012. Segundo o gerente Comercial da Filial de Porto Alegre, Julio Cesar Kerpp Fraga, existe um volume maior de contratações, para obras de todos os portes. “A busca por esta modalidade de seguro pode ser explicada em função da localização das obras serem dentro dos grandes centros urbanos, onde existem as maiores exposições de risco”,destaca.

Nesse contexto, ele falou que visualiza um amplo crescimento nas consultas dos dois primeiros trimestres do ano. “Em função das assinaturas dos contratos de infraestrutura e Copa do Mundo, a efetivação propriamente dita tem sido impulsionada por demandas deste segmento e ampliação industrial e comercial”, acrescenta.

Fraga ressaltou ainda que existem dois grupos distintos de obras que a Berkley possui atuação: o Grupo I, composto por edifícios residenciais, comerciais, hotéis, igrejas, lojas, shopping centers, cinemas, teatros auditórios, colégios, ginásios de esportes, depósitos, hangar, edifícios industriais e outros. 

Já no grupo II, estão as Obras Civis em Construção (OCC), infraestrutura, estradas, pontes, obras de saneamento. Obras de Instalações e Montagem (IM), obras de instalação e montagem de equipamentos individuais, conjunto de equipamentos, linha de produção, planta industrial, equipamentos portuários e outros.